A importância da Medicina esportiva

Redação Voomp
Colaborador do Voomp

Crédito: Imagem: Reprodução / Pexels

A Medicina, dentre as suas complexidades e uma vasta gama de caminhos a seguir, encontra-se a Medicina esportiva. Esta, contempla espaços diversos que estouram a bolha dos atletas profissionais. Assim, neste artigo, você conhecerá a importância da Medicina esportiva.

O que é Medicina Esportiva?

A princípio, a Medicina Esportiva atende não só praticantes de atividades físicas, bem como aqueles que não as fazem. Logo, devido à abrangência de ambos grupos, considerando que no primeiro, entram todos os tipos de atletas de diferentes níveis, a Medicina esportiva interfere diretamente nas práticas físicas da sociedade e deve ser vista como uma questão de saúde pública.

Também, a Medicina Esportiva estuda lesões, sejam elas causadas por exercícios físicos ou pela ausência deles. Desse modo, visa identificar a origem problema, bem como solucioná-lo através de terapias ou medicamentos.

Nesse sentido, caso o paciente de um médico do esporte sofra algum tipo de lesão, o mesmo tem por dever orientá-lo sobre as medidas que devem ser tomadas. Ainda, com uma orientação efetiva e embasada cientificamente, ao depender da amplitude desta lesão, poderá recuperar a musculatura ou a estrutura óssea efetivamente.

Outro aspecto importante, refere-se ao incentivo à prática esportiva. Considerando que realizar exercícios físicos regularmente, diminui problemas cardíacos, ameniza danos imunológicos em pacientes soropositivos, diabéticos, asmáticos e obesos.

Em síntese, o médico do esporte visa a saúde geralmente. Além disso, ocupa um importantíssimo espaço no que diz respeito à saúde pública, considerando os resultados positivos da prática regular de atividades físicas, que, por consequência, diminui uma série de doenças que comumente afetam a parcela sedentária da população.

A importância da Medicina esportiva

Como mencionado anteriormente, a prática regular de exercícios físicos auxilia na prevenção de uma série de doenças. E, por sua vez, ocupa um importante espaço dentre os profissionais da saúde, considerando que a ausência de tais práticas pode ser considerado um problema de saúde pública.

Neste contexto, a Medicina esportiva afeta diversos âmbitos e pilares da sociedade. Um deles, por exemplo, é o aspecto econômico. Investir em campanhas que incentivem o esporte é essencial para o bem-estar físico e mental de uma sociedade. Mas, não basta o investimento verbal, tem de investir dinheiro, construir espaços, parques, ciclovias e outros ambientes possíveis para a realização de exercícios físicos de modo democrático.

Assim, uma sociedade envolvida com a saúde, tende a ser mais produtiva, por exemplo. E, acaba por evitar inúmeras doenças que, posteriormente, iriam demandar de recursos financeiros do Sistema Único de Saúde.

Dados importantes que envolvem a Medicina esportiva

A seguir, apontaremos dados e pesquisas relacionadas à importância da Medicina esportiva, mas enfatizando não só as boas práticas, como também os danos causados pela ausência das mesmas. Confira abaixo:

O site El País disponibilizou uma pesquisa da Organização Mundial da Saúde (OMS) que aponta o seguinte:

Segundo a publicação, o nível de atividade física nos adolescentes permanece estagnado desde 2012, e 80% dos jovens não seguem a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de fazer uma hora de exercício físico por dia. Cerca de 40% dos estudantes nunca vão a pé para a escola, e 25% passam mais de três horas por dia sentados após assistirem às aulas e fazerem a lição de casa. O estudo também analisa o uso de telas entre os jovens de 38 países europeus: em média, 60% dos meninos e 56% das meninas passam mais de duas horas por dia vendo televisão, e 51% dos meninos e 33% das meninas dedicam mais de duas horas por dia a jogar videogame.

A contrapartida

Em contrapartida, a Unimed aponta em um artigo algumas informações sobre doenças crônicas. Confira:

Os benefícios da atividade física vão muito além de apenas reduzir peso, e para os portadores de doenças crônicas é de extrema importância. O exercício regular é ótimo para o controle de doenças como hipertensão, obesidade, diabetes, entre outras enfermidades crônicas. A prática da atividade física está diretamente associada à prevenção e ao tratamento de doenças crônicas não transmissíveis. Além de possibilitar a redução da incapacidade física causada pela sua evolução. Alguns estudos demonstraram a relação entre o nível de atividade física e a redução da mortalidade geral e por doenças cardiovasculares.

Fica claro, portanto, a relação entre saúde e esporte. Além disso, o valor econômico, social e cultural do investimento da atividade física para a obtenção de uma sociedade com sujeitos saudáveis, ativos e prevenidos de possíveis doenças.

As Olimpíadas, o investimento nos atletas e a Medicina esportiva

Neste ano, 2021, a ocorrência das Olimpíadas Tóquio-2020 ocasionou fortes emoções a todos nós. Considerando, em especial, a sua ocorrência durante uma pandemia que deixou muitos mortos mundo afora — especialmente em países subdesenvolvidos.

A ida dos atletas à Tóquio demandou não só intensivos treinos na modalidade esportiva disputada, mas também acompanhamento constante com nutricionistas e médicos do esporte. Dessa maneira, necessitou-se também de investimento monetário.

No entanto, o investimento nos atletas por parte de instituições e órgãos governamentais foi absolutamente desproporcional em relação às demandas. Confira alguns dados sobre os atletas brasileiros:

  • 42% dos atletas brasileiros não têm nenhum patrocínio;
  • 13% dos atletas brasileiros, tiveram de fazer vaquinha para participar dos jogos;
  • 7% vive com menos de R$1.000,00 de auxílio-esporte;
  • 10% dos atletas brasileiros de alta performance – e conquistaram medalhas – não vivem do esporte por falta de condição financeira.

Assim, as Olimpíadas vieram para mostrar vulnerabilidade social e a ausência de políticas públicas que promovam bem-estar e saúde por meio do esporte. E, principalmente, a falta de investimento na Medicina esportiva e nos atletas.

Por fim, torna-se indubitável a importância da Medicina esportiva a todos. Então, seja você um atleta de alta performance ou não, a saúde e a longevidade depende de uma série de fatores. Mas, um dos mais densos é, sem dúvidas, o esporte. Então, a importância da Medicina esportiva perpassa aspectos individuais e coletivos, visando sempre o bem-estar do sujeito em todas as esferas.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.