FIES vale a pena? Veja os prós e contras

Redação Voomp
Colaborador do Voomp

Crédito: Imagem: Reprodução

Muitas pessoas desejam fazer uma faculdade, mas uma das principais dificuldades é arcar com as mensalidades durante os anos de curso. Esses valores podem ser bastante salgados dependendo do curso e da instituição escolhida. Mas hoje em dia existem algumas saídas para quem deseja cursar uma graduação sem ter que estourar o cofrinho. E uma das principais é o FIES. Se você quer saber as vantagens e desvantagens do FIES e se ainda vale a pena aderir ao financiamento, é só continuar a leitura!

O que é o FIES

O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa criado em 2001 para financiar as mensalidades dos alunos inscritos em graduações em faculdades particulares. Essa é uma forma de incentivar a continuidade dos estudos da população brasileira. Assim, para poder aderir, é necessário ter participado do ENEM e ter média mínima de 450 pontos na prova. Além disso, é critério de classificação não ter zerado a pontuação na redação do exame. 

Como funciona o FIES?

Antes de cada ano letivo começar, o FIES abre as suas inscrições para que os alunos tentem concorrer a um contrato para o financiamento. Os que forem selecionados, então, contam com a ajuda do governo brasileiro para custear as mensalidades. E isso do ingresso na universidade até a conclusão da graduação. Depois de formado, o aluno deve devolver o valor investido pelo governo federal. 

O indivíduo pode solicitar o financiamento de 10% a 100% do valor total do curso, porém esse valor não pode ser superior a R$ 7000,00 mensais, teto que foi estabelecido pelo MEC em 2018. 

Modalidades do FIES

Atualmente, existem duas modalidades para os estudantes escolherem na hora da contratação do FIES

  • Modalidade FIES: conta com juros zero e é voltado para aqueles que tem renda familiar mensal de até três salários mínimos. Nessa, o estudante começa a pagar os valores de acordo com o seu limite de renda. 
  • Modalidade P-FIES: É voltada para os estudantes com renda familiar entre três e cinco salários mínimos mensais. Aqueles que aderirem  à ela pode buscar financiamento em diversos bancos privados que oferecem essa modalidade. 

Vale lembrar que, depois que escolhida a modalidade, não é possível alterar para outra durante o período da graduação.

Como pagar o FIES

São duas fases diferentes para quem faz o FIES para o quitamento da dívida:

  • Durante o curso: Enquanto ainda está cursando a graduação, o aluno só terá que pagar os valores acordados mensalmente, além dos valores referentes ao seguro de vida, que é obrigatório para essa modalidade de financiamento. 
  • Amortização: A partir da conclusão do curso, o indivíduo entra no período de amortização, onde deve começar a quitar os valores mais elevados do financiamento. Caso o indivíduo tenha um emprego fixo ou abra uma empresa, os valores são descontados diretamente da fonte de renda. No caso do estudante não ter uma fonte de renda nesse período, os valores devem ser quitados equivalente ao pagamento mínimo mensal. 

Caso esteja empregado após a finalização da graduação, o valor da mensalidade é descontado diretamente da folha de pagamento. Normalmente esse desconto chega a ser o equivalente a 10% do salário. 

Exemplo de financiamento

Vamos te dar um exemplo prático para ficar mais fácil o entendimento. Suponha que a sua dívida total seja de R$ 50.000 e o seu salário mensal seja de R$ 2.000; nesse cenário, você pagaria R$ 200 por mês por aproximadamente 21 anos. Mas como a tendência é que seu salário aumento com o passar do tempo, é bastante possível quitar esse valor em muito menos tempo.

Porém, caso o indivíduo não tenha um emprego fixo depois de se formar na faculdade, existe uma cota de pagamento mínimo que pode ser utilizada. Por exemplo, sua mensalidade na faculdade era de R$ 800 no primeiro ano após a formatura você vai pagar 70% do valor que era paga mensalmente durante o curso, o que significa R$ 224, no segundo ano o pagamento seria de 75% do valor pago durante o curso, que corresponde a R$ 240 nesse caso e no terceiro ano você pagaria 100% do valor mensalmente, que se refere à R$ 320 reais ao mês.

Vantagens

São muitas as vantagens que existem para o estudante que contrata o FIES. Veja agora as principais delas:  

  • Possível financiar até 100% do curso
  • Juros zero ou mais baixos que na iniciativa privada
  • Oportunidade de fazer cursos mais caros
  • Não há a necessidade de se preocupar com a dívida durante a graduação

Desvantagens

  • Nem todos conseguem acesso, já que é necessário comprovar renda baixa para aderir
  • Processo burocrático e complexo
  • É necessário atualizar o valor semestralmente para garantir as coberturas dos valores das mensalidades
  • Não há mais prazo de carência,  o aluno precisa começar a quitar os valores imediatamente após a formação

Dica: faça uma simulação do valor

Ainda está em dúvida se o FIES é a melhor opção para você? Então que tal fazer uma simulação para ter certeza? Existem diversos locais na internet, como o próprio site do Governo Federal e dos bancos conveniados para a modalidade P-FIES, que disponibilizam simuladores para você ver qual será o valor pago.

Neles você informa a modalidade, a porcentagem que deseja financiar e quantidade e semestres. Assim que fornecer essas informações, o sistema consegue mostrar o quanto você pagará. 

Com essas informações em mãos, você tem meios de tomar a decisão mais adequada para a sua sitação. 

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.